Notícias & Alertas |

STJ deve julgar a (i)legitimidade da incidência de IRPJ e CSLL sobre os benefícios fiscais de ICMS

Legale n. 812 ― Os contribuintes podem ajuizar pedido para que seja afastada a incidência do IRPJ e da CSLL sobre os benefícios fiscais de ICMS concedidos pelos Estados ― independentemente de se tratar de redução de base de cálculo, redução de alíquota, isenção, imunidade, diferimento, entre outros, ― e garantir a restituição do recolhido nos últimos 5 anos.

Após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidir que não incide o Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e sobre a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) no caso de benefícios fiscais consistentes na concessão de créditos presumidos de ICMS pelos Estados, vislumbra-se agora a possibilidade de o STJ estender o entendimento firmado aos demais benefícios fiscais relacionados ao ICMS, tais como redução de base de cálculo, redução de alíquota, isenção, imunidade, diferimento, entre outros.

Os Ministros destacaram dois recursos como representativos da controvérsia geral do tema e solicitaram para que o Ministério Público Federal (MPF) manifeste-se a respeito da admissibilidade deles. Após a manifestação do MPF, os recursos serão analisados pelos Ministros do STJ no plenário virtual e, em caso de decidirem pela admissibilidade, serão julgados pela Primeira Seção do STJ.

A discussão judicial decorre de divergência de entendimento entre o Fisco e os contribuintes acerca do assunto. As autoridades fazendárias entendem que o racional aplicável pelo STJ para afastar a tributação sobre os créditos presumidos de ICMS não se estende aos demais benefícios fiscais concedidos pelos Estados, uma vez que os benefícios não demandam registro contábil de ingresso de receita, mas apenas redução de custo do contribuinte ― não acarretando, segundo esse raciocínio, em aumento da base de cálculo dos tributos federais.

Ao nosso ver, o entendimento do fisco não encontra amparo jurídico e não merece ser acolhido, já que (1) a decisão do STJ a respeito dos créditos presumidos de ICMS não faz distinção em razão da forma como são concedidos os benefícios fiscais; e (2) o tribunal foi muito claro ao estabelecer que o aumento patrimonial experimentado pelo contribuinte em decorrência de benefício fiscal concedido pelo Estado não é renda, mas renúncia de receita do Estado e, por isso, não sujeito à tributação federal. Além disso, os ministros concluíram que (3) a tributação nos moldes que pretende a União representa violação ao pacto federativo, já que mitigaria ― ou até mesmo anularia ― os benefícios fiscais concedidos pelos Estados. Em outras palavras, a União retiraria todo o proveito econômico experimentado pelo contribuinte com o benefício fiscal de ICMS concedido pelos Estados. Por isso, não se vê razão para não estender o entendimento do STJ aos demais benefícios fiscais de ICMS que não sejam crédito presumido.

A discussão tem bons fundamentos legais e, ao que tudo indica, será devidamente enfrentada pelo STJ, impactando o julgamento de casos em todo o Brasil.

Pode ser pra você
Bem por isso, os contribuintes podem ajuizar uma tese judicial com o objetivo de afastarem a incidência do IRPJ e da CSLL sobre os benefícios fiscais de ICMS concedidos pelos Estados ― independentemente de se tratar de redução de base de cálculo, redução de alíquota, isenção, imunidade, diferimento, entre outros, ― e garantir a restituição dos valores recolhidos nos últimos 5 anos, caso obtenham sucesso na demanda.

Conheça o nosso Hub de Soluções Tributárias >
 
 
 

Mais sobre Mauricio Nucci, Sócio da Área >
 
 
 

Pessoas e Comunidade >
Conheça os nossos líderes >
Prêmios, Selos e Reconhecimentos >
INSIGHTS, o nosso Portal de Notícias >
 
 
 

Tributário >
Corporativo >
Relações do Setor Automotivo >
Prevenção e Resolução de Conflitos >
Relações de Trabalho, Mobilidade Global e Gestão de Pessoas >
 
ESG, Ambiental e Sustentabilidade >
Inovação, Direito Digital e Cibersegurança >
Propriedade Intelectual >
Infraestrutura, Imobiliário e Construção Civil >
Direito Administrativo, Direito Público e Regulatório >
 
 
 

O propósito do Hub Tributário é reduzir os custos dos nossos clientes por meio da identificação de oportunidades tributárias legítimas, explorando a legislação federal, estadual e municipal aplicável e suas regulamentações, instruções, atos e consultas, especialmente os precedentes e os leading cases tributários aplicáveis aos casos concretos — examinando cuidadosamente o planejamento tributário atual e abordando de maneira personalíssima e particularizada cada cliente.
 
Nossas publicações têm o objetivo de comunicar a perspectiva legal dos acontecimentos e prover contexto aos fatos jurídicos mais relevantes que podem influenciar companhias e organizações. Casos em concreto demandam atenção técnica personalizada sobre os fatos, e devem obter assessoria jurídica sob medida antes da adoção de qualquer providência legal ou paralegal. Se você, sua empresa ou o conselho de acionistas de sua organização precisam de aconselhamento, entre em contato com o advogado de sua confiança.
 
 
 

Fale com o Editor >
 
 
 

+55 19 3252-4324
Barão de Itapura, 2323
8° andar, Guanabara
Campinas, SP
Brasil

Compartilhe
Vaz de Almeida

VAZ DE ALMEIDA ADVOGADOS é um escritório independente, dedicado ao suporte legal às companhias estrangeiras no Brasil e às empresas brasileiras instaladas no país e no exterior. Nosso propósito é desobstruir as barreiras que comprometem o tempo e a energia dos executivos, liberando-os para se concentrarem no trabalho que realmente importa: superar as expectativas de seus acionistas.