Destaques | Editor |

Reflexos da divulgação dos Relatórios de Transparência Salarial

Se, por um lado, o objetivo dos Relatórios de Transparência Salarial era dar transparência à qualidade das relações entre gêneros, no que diz respeito à remuneração e ocupação de cargos de liderança, por outro, tal como concebido, não captam uma série de variáveis que não podem ser desprezadas para um retrato fiel das práticas de Gestão de Pessoas nas empresas.

Por Graziela Luchetti,
com Julhi Bonespírito.


Legale, n. 891.
 
Em 4 de julho de 2023, entrou em vigor a Lei 14.611, conhecida como Lei da Igualdade Salarial, que prevê, em seus seis dispositivos legais, ferramentas destinadas a garantir a igualdade de salário e de critérios de remuneração entre homens e mulheres.
 
Além de estabelecer salários iguais para a mesma função, a nova legislação visa aumentar a fiscalização contra a discriminação e facilitar os processos legais.
 
Dentre as ferramentas previstas, uma causou grande movimentação no Judiciário nos últimos meses: os Relatórios de Transparência Salarial. Para empresas com 100 ou mais funcionários, a divulgação semestral desse relatório é obrigatória, sob pena de multa de 3% sobre a folha de pagamento. A ideia é permitir a comparação entre os salários de homens e mulheres e a proporção de ocupação de cargos de chefia.
 
Se, por um lado, o objetivo da norma, por meio dos Relatórios de Transparência, era assegurar a igualdade de gênero, na prática revelou-se um descompasso com o fim pretendido. Quando da emissão dos relatórios pelo Ministério do Trabalho e Emprego, observou-se que os números estavam longe de refletir o cenário real das empresas.
 
Preocupadas com a repercussão dos Relatórios de Transparência e seus dados imprecisos, muitas empresas recorreram ao Judiciário para se desobrigarem de divulgar esses relatórios. A preocupação, compartilhada por nossa equipe, era de que os relatórios pudessem comprometer a credibilidade e a imagem das empresas, pois os números, lidos friamente, não permitiam uma comparação objetiva entre salários, remuneração e proporção de ocupação de cargos. Apesar da concessão de liminares isoladas, a maioria das decisões foi pela obrigatoriedade da divulgação.
 
O resultado, nesse primeiro momento, como apontou o relatório divulgado pela DEEP Legal, foi um aumento das ações judiciais propostas por mulheres para exigir remuneração igualitária aos homens. Em menos de oito meses, foram distribuídas 58 ações com base na nova lei. Ainda conforme o levantamento, os Tribunais Regionais do Trabalho (TRTs) da 12ª Região, em Santa Catarina, e da 2ª Região, em São Paulo, concentram a maioria das demandas relacionadas ao tema.
 
Esses números poderão aumentar, já que o exame da constitucionalidade ainda está longe de ocorrer. A matéria foi levada ao Supremo Tribunal Federal por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade n. 7612, proposta pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo. As duas confederações explicam que não está em discussão o princípio constitucional da isonomia, mas apenas a necessidade de adequação da Lei 14.611, de 2023, para que desigualdades legítimas e objetivas, como o tempo na função e na empresa e a perfeição técnica do trabalho, não sejam consideradas discriminação por gênero.
 
As entidades alegam ainda que a lei exige a divulgação de Relatórios de Transparência Salarial e impõe penalidades em caso de qualquer diferença de remuneração entre homens e mulheres, causando injusto dano à reputação das empresas. Defendem que a elaboração de um plano de carreira corporativo vai muito além da questão de gênero.
 
Enquanto isso não se resolve, resta às empresas divulgarem seus Relatórios de Transparência com as devidas contextualizações, de modo a permitir que seus colaboradores e a comunidade em geral compreendam as medidas adotadas para evitar qualquer discriminação de gênero — princípio fundamental que deve balizar toda e qualquer atividade.
 
O Hub de Relações de Trabalho e Mobilidade está à disposição dos seus clientes não só no auxílio quanto à divulgação dos relatórios, mas em especial na elaboração e implementação do «Plano de Ação para Mitigação da Desigualdade Salarial e de Critérios Remuneratórios entre Mulheres e Homens».
 
 
 

Hub de Prevenção e Resoluções de Conflitos >
 
 
 

Fale com a sócia da Área: Julhi Almiron Bonespírito >
 
 
 
Livre de Inteligência Artificial / Este conteúdo e imagem relacionada não foram gerados por IAs.
 
 
 

Pessoas e Comunidade >
Conheça os nossos líderes >
Prêmios, Selos e Reconhecimentos >
Notícias: conteúdo de qualidade no nosso portal >
 
 
 

Tributário >
Corporativo >
Relações do Setor Automotivo >
Prevenção e Resolução de Conflitos >
Relações de Trabalho, Mobilidade Global e Gestão de Pessoas >
 
ESG, Ambiental e Sustentabilidade >
Inovação, Direito Digital e Cibersegurança >
Propriedade Intelectual >
Infraestrutura, Imobiliário e Construção Civil >
Direito Administrativo, Direito Público e Regulatório >
 
 
 

A Área de Relações de Trabalho, Mobilidade Global e Gestão de Pessoas assessora conselhos de administração e diretores de empresas a lidar com a mudança contínua, redesenhando os macroprocessos de gestão do capital humano (integração, remuneração, desenvolvimento, responsabilização e mobilidade global); liderando negociações intersindicais e acordos coletivos; criando políticas e facilitando workshops sobre inclusão, respeito à diversidade, respeito aos Direitos Humanos e relações com a comunidade; oferecendo suporte legal aos líderes de startups e aos empreendedores das soluções disruptivas emergentes; planejando, implementando e monitorando políticas de Home Office e Anywhere Office; e oferecendo suporte legal às relações de trabalho articuladas com Tecnologia da Informação, conectividade digital, cibersegurança, sigilo profissional, acordos de privacidade, acordos de não concorrência e proteção de dados pessoais (LGPD & GDPR).
 
 
 

A Área de Prevenção e Resolução de Conflitos (ADR and Litigation) busca, ao máximo, adotar as soluções e os meios alternativos para a resolução dos conflitos de maneira inteligente, ágil e menos onerosa possível para os nossos clientes, priorizando as negociações às vias judiciais. Mas quando não é possível fazê-lo, contamos com um time especializado e altamente qualificado para agir sob pressão e com rapidez, como uma «linha ofensiva». A mais antiga das Áreas do escritório guarda uma preciosa tradição de qualidade técnica em redação legal, estratégia processual, sustentação oral nos tribunais e interposição de recursos em todas as instâncias, a fim de assegurar o adimplemento ou a transmissão de obrigações, o cumprimento de responsabilidades civis, o respeito aos contratos, à posse, à propriedade e ao condomínio de bens e de direitos.
 
 
 

Nossas publicações têm o objetivo de comunicar a perspectiva legal dos acontecimentos e prover contexto aos fatos jurídicos mais relevantes que podem influenciar companhias e organizações. Casos em concreto demandam atenção técnica personalizada sobre os fatos, e devem obter assessoria jurídica sob medida antes da adoção de qualquer providência legal ou paralegal. Se você, sua empresa ou o conselho de acionistas de sua organização precisam de aconselhamento, entre em contato com o advogado de sua confiança.
 
«Legale», «Painel Tributário», «Temas Tributários» e «Notícias & Alertas» são informativos periódicos e constituem uma prestação de serviços à comunidade empresarial sobre legislação, atualizações normativas e agenda tributária. Na forma de notas curtas, alertas ou artigos, os conteúdos podem dispor de links para websites oficiais, a fim de facilitar o acesso dos nossos seguidores e assinantes aos serviços e publicações referidos. Não nos responsabilizamos (e nem teria como!), entretanto, pela integridade destes websites governamentais, que podem apresentar problemas como indisponibilidade de acesso em razão de falhas em seus servidores, acidentes nos sistemas de rede, fragilidades em seus mecanismos de segurança, entre outros.
 
 
 

Fale com o Editor >
 
 
 

+55 19 3252-4324
Barão de Itapura, 2323
8° andar, Guanabara
Campinas, SP
Brasil

Compartilhe
Vaz de Almeida

VAZ DE ALMEIDA ADVOGADOS é um escritório independente, dedicado ao suporte legal às companhias estrangeiras no Brasil e às empresas brasileiras instaladas no país e no exterior. Nosso propósito é desobstruir as barreiras que comprometem o tempo e a energia dos executivos, liberando-os para se concentrarem no trabalho que realmente importa: superar as expectativas de seus acionistas.