Notícias & Alertas |

Congresso derruba 12 dos 14 vetos contra a nova Lei de Falências

Congresso derruba 12 dos 14 vetos contra a nova Lei de Falências
Benefícios fiscais e outras vantagens readmitidas possibilitarão a atração de recursos para as empresas em recuperação judicial.

por Julhi Bonespírito

O Congresso Nacional derrubou 12 dos 14 vetos presidenciais contra a «nova» Lei de Falências, a Lei n. 14.112 (2020), o que devolve ao texto o equilíbrio entre os benefícios fiscais do novo modelo e o superpoder do Fisco ― nas esferas federal, estadual e municipal ― de participar ativamente do processo de recuperação judicial e pedir falência.

Agora, os investidores que adquirirem bens de empresas em recuperação judicial não terão qualquer responsabilidade sobre as obrigações do devedor, seja de natureza ambiental, regulatória, administrativa, penal, tributária ou trabalhista. (Artigo 60 e parágrafo 3º do artigo 66).

As empresas em recuperação judicial também terão benefícios fiscais. Não haverá pagamento do PIS e da COFINS sobre o valor perdoado de dívida e o prejuízo fiscal poderá ser usado para pagar o Imposto de Renda e a CSLL. Antes as empresas só poderiam utilizar o prejuízo fiscal para pagar até 30% do valor do débito. (Artigo 50-A).

Um outro artigo também permite o uso de prejuízo fiscal — também sem qualquer limitação de valores — para pagar a tributação que incide sobre os ganhos que as empresas em recuperação têm com a venda de bens e direitos. (6-B).

Dois vetos foram mantidos. Um tratava da suspensão das execuções trabalhistas contra responsável, subsidiário ou solidário, até a homologação do plano de recuperação. (Parágrafo 10 do Artigo 6º).

O outro tratava da competência do Ministério da Agricultura para decidir, na recuperação judicial, quais seriam os casos de força maior para que fosse incluídos os créditos vinculados à Cédula de Produto Rural.

A «nova» Lei de Falências
A Lei n. 14.112 (2020) entrou em vigor no dia 23 de janeiro deste ano e rapidamente se tornou conhecida como a «nova» Lei de Falência e Recuperação Judicial.

A Lei 14.112 não é, rigorosamente, uma lei nova, mas altera significativamente a Lei 11.101 (2005), que regula a recuperação judicial e a falência, com o objetivo de ― sem comprometer ainda mais os riscos dos credores ― dar maior celeridade ao rito e maiores chances de recuperação e reestruturação das empresas.

Conheça todas as alterações promovidas pela Lei 14.112 (2020) sobre a recuperação judicial, a recuperação extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária. Fale com os nossos especialistas em Prevenção e Resolução de Conflitos.

Leia também:
Conciliação e mediação na «nova» Lei de Falência e Recuperação Judicial
 
 
 
 
+55 19 3252-4324
 

Nossos conteúdos têm o objetivo de comunicar a perspectiva legal dos acontecimentos e prover contexto aos eventos jurídicos mais relevantes que podem influenciar companhias e organizações. Casos em concreto demandam atenção técnica personalizada sobre os fatos, e devem obter assessoria jurídica sob medida antes da adoção de qualquer providência legal ou paralegal. Se você, sua empresa ou o conselho de acionistas de sua organização precisam de aconselhamento, entre em contato com o advogado de sua confiança.
 
Avenida Barão de Itapura, 2323
8º andar, Guanabara
Campinas, SP
Brasil

Compartilhe
Vaz de Almeida

VAZ DE ALMEIDA ADVOGADOS é um escritório independente, dedicado ao suporte legal às companhias estrangeiras no Brasil e às empresas brasileiras instaladas no país e no exterior. Nosso propósito é desobstruir as barreiras que comprometem o tempo e a energia dos executivos, liberando-os para se concentrarem no trabalho que realmente importa: superar as expectativas de seus acionistas.