Painel Tributário n. 32
Notícia anterior
Próxima Notícia
Painel Tributário n. 33
Destaques | Editor |

Marco Legal de geração de energia para consumo próprio fomenta ― ainda mais ― o mercado

Legale n. 778 ― Lei 14.300 (2022) proporciona mais segurança jurídica para quem produz a própria energia no relacionamento com as operadoras dos sistemas de distribuição em rede.

Por Thiago Pereira e Mauricio Ortega.

 
Foi sancionado pelo Presidente Jair Bolsonaro, a Lei 14.300, de 2022, que instituiu o Marco Legal da microgeração e minigeração (1) distribuída de energia elétrica.
 
Também conhecida por «geração distribuída», a geração de energia para consumo próprio está se tornando cada vez mais popular no Brasil, com um crescimento de mais de 300% nos últimos 2 anos, representando, atualmente, cerca de 5% de toda a capacidade atual de geração de energia do país.
 
Publicada ― e em vigor ― desde o dia 7 de janeiro deste ano, a lei traz novas regras para os consumidores que produzem sua própria energia, com destaque para a (a) regulamentação do Sistema de Compensação de Energia Elétrica (SCEE); (b) o direito adquirido dos consumidores que já produzem a sua própria energia; (c) o período de transição para incidência dos encargos; (d) a participação de condomínios civis no SCEE; e (e) o Programa de Energia Renovável Social (PERS).
 
A lei descreve o Sistema de Compensação de Energia Elétrica (SCEE) como uma rede que integra operadoras de distribuição de energia e consumidores ― pessoas físicas e jurídicas ― que dispõem de uma fonte de energia renovável e que podem injetar na rede de distribuição o excedente de sua própria geração e, assim, obter um crédito para utilizá-lo quando seu consumo for superior à sua geração. O SCEE já havia sido concebido e implantado em 2012, por força da Resolução Normativa n. 482, da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), que deu base legal mínima para o início da expansão do setor.
 
Atualmente, as unidades consumidoras pagam uma tarifa apenas sobre a diferença quando o consumido é maior que o gerado. Com a nova lei, os consumidores deverão contribuir com uma taxa pela remuneração dos ativos do serviço de distribuição, depreciação dos equipamentos da rede e pelo custo de operação e manutenção dos serviços.
 
 
Geração de energia para consumo próprio vai aumentar ainda mais
 
Para os que já possuíam projetos de micro ou minigeração instalados antes do dia 7 de janeiro de 2022, e para quem mais quiser protocolizar eventual solicitação de acesso ao SCEE pelos próximos 12 meses, contados a partir do mesmo dia 7 de janeiro, permanecem válidas até 2045 as regras anteriores à publicação da nova lei, previstas pela Resolução Normativa 482. Já para os que solicitarem acesso entre o 13º e 18º mês, também contados da publicação da nova lei, as novas regras entrarão em vigor a partir de 2031.
 
Por conta disso, a expectativa dos fornecedores de equipamentos para microgeração e minigeração de energia elétrica é de um aumento massivo das buscas por projetos de geração distribuída ainda este ano.
 
O Marco Legal também ampliou o conceito de reunião de consumidores para geração compartilhada, abrangendo agora condomínios civis voluntários e edilícios ou qualquer forma de associação civil que seja instituída para este fim, além dos consórcios e cooperativas já previstos pela Resolução 482.
 
Por fim, a Lei 14.300 (2022) inovou com a criação do Programa de Energia Renovável Social (PERS), cujo objetivo é o financiamento de instalação de sistemas fotovoltaicos e de outras fontes renováveis à consumidores de baixa renda, de forma a popularizar e fomentar ainda mais a exploração de energias renováveis no país.
 
O setor fotovoltaico é um mercado em expansão acelerada ― em razão da economia gerada aos consumidores e por tratar-se de uma fonte de energia sustentável ― e está apenas no início. E, apesar da instituição de novas taxas, o Marco Legal de geração distribuída deve acelerar ainda mais as instalações e proporcionar maior segurança jurídica a todos, consumidores e distribuidoras.
 
Conheça o nosso time de especialistas e o nosso conceito a respeito de como pensar e fazer o Direito.
 
 
 

Conheça o nosso hub de especialistas em Negócios >
 
 
 

Sócio da Área: Mauricio Ortega Vieira >
 
 
 

Pessoas e Comunidade >
Conheça os nossos líderes >
Prêmios, Selos e Reconhecimentos >
Notícias: conteúdo de qualidade no nosso portal >
 
 
 

Tributário >
Corporativo >
Relações do Setor Automotivo >
Prevenção e Resolução de Conflitos >
Relações de Trabalho, Mobilidade Global e Gestão de Pessoas >
 
ESG, Ambiental e Sustentabilidade >
Inovação, Direito Digital e Cibersegurança >
Propriedade Intelectual >
Infraestrutura, Imobiliário e Construção Civil >
Direito Administrativo, Direito Público e Regulatório >
 
 
 

A Área de Negócios e Operações Estratégicas é altamente qualificada e experimentada em operações economicamente sensíveis; fusões e aquisições (M&A); venda e compra de empresas; defesa contra aquisições hostis; aquisições, permutas ou combinações de participações; acquisition finance, project finance, trade finance; ofertas de ações (IPO, Follow-on e OPA) — e várias outras soluções corporativas, em níveis de serviço adaptáveis.
 
 
 

Nossas publicações têm o objetivo de comunicar a perspectiva legal dos acontecimentos e prover contexto aos fatos jurídicos mais relevantes que podem influenciar companhias e organizações. Casos em concreto demandam atenção técnica personalizada sobre os fatos, e devem obter assessoria jurídica sob medida antes da adoção de qualquer providência legal ou paralegal. Se você, sua empresa ou o conselho de acionistas de sua organização precisam de aconselhamento, entre em contato com o advogado de sua confiança.
 
«Legale», «Painel Tributário», «Temas Tributários» e «Notícias & Alertas» são informativos periódicos e constituem uma prestação de serviços à comunidade empresarial sobre legislação, atualizações normativas e agenda tributária. Na forma de notas curtas, alertas ou artigos, os conteúdos podem dispor de links para websites oficiais, a fim de facilitar o acesso dos nossos seguidores e assinantes aos serviços e publicações referidos. Não nos responsabilizamos (e nem teria como!), entretanto, pela integridade destes websites governamentais, que podem apresentar problemas como indisponibilidade de acesso em razão de falhas em seus servidores, acidentes nos sistemas de rede, fragilidades em seus mecanismos de segurança, entre outros.
 
 
 

Fale com o Editor >
 
 
 

+55 19 3252-4324
Barão de Itapura, 2323
8° andar, Guanabara
Campinas, SP
Brasil

Compartilhe
Vaz de Almeida

VAZ DE ALMEIDA ADVOGADOS é um escritório independente, dedicado ao suporte legal às companhias estrangeiras no Brasil e às empresas brasileiras instaladas no país e no exterior. Nosso propósito é desobstruir as barreiras que comprometem o tempo e a energia dos executivos, liberando-os para se concentrarem no trabalho que realmente importa: superar as expectativas de seus acionistas.